OAB-ES contrata advogado para acompanhar investigações de atentado em Iúna

Segundo Secretário Geral Adjunto, a Ordem não está satisfeita com o andamento do inquérito

Por Estevão Gomes 11/05/2021 - 20:11 hs

OAB-ES contrata advogado para acompanhar investigações de atentado em Iúna
Secretário Rodrigo, presidente da OAB de Iúna - Christian Neves, Elzeni e advogado contratado David.

Após atentado contra a advogada Elzeni da Silva Oliveira, dia 09/04, quando foram efetuados disparos de arma de fogo contra sua varanda, a OAB-ES, além de ter realizado um ato de repúdio, agora contratou um advogado para acompanhar as investigações do crime. O advogado contratado e o Secretário Geral Adjunto da OAB-ES estiveram em Iúna na tarde de hoje para se apresentarem à subseção de Iúna e à vítima do crime.

De acordo com o advogado criminalista Dr David Metzler, ele foi contratado pela OAB-ES para acompanhar as investigações em nome de Elzeni. “Vou acompanhar as investigações, auxiliar no que for possível e legal à Polícia Civil a elucidar os fatos. A intenção é chegar aos autores desse crime, para que após o devido processo legal, sejam condenados”, afirma o advogado.

O Secretário Dr Rodrigo Carlos de Souza afirmou que a OAB-ES recebeu o atentado contra Elzeni como um gesto de extrema violência. “É um gesto de intimidação à prática da advocacia, o que é inaceitável. Quando um advogado é intimidado, quem também está sendo intimidado é a sociedade, aquela que o contratou. O advogado intimidado fica restrito, constrangido na hora de defender os interesses de seu cliente e a Ordem não pode permitir isso”.

Segundo Dr Rodrigo, a OAB-ES não está satisfeita com o andamento das investigações . “Nós não vamos ficar de braços cruzados. Vamos a todas as esferas, mas nós queremos que esse crime seja elucidado. A Ordem não tem medo do enfrentamento e está aqui de peito aberto para enfrentar o bandido que fez isso”, pontuou. 


Entenda o caso

A casa onde a advogada reside foi alvejada por sete tiros, disparados por uma dupla em uma moto na noite do dia 9 de abril. Os disparos quebraram os vidros da varanda e provocaram um grande susto para a família da advogada.

De acordo com relatos encaminhados ao presidente da OAB-ES, existe a suspeita de que o atentado esteja ligado com a prática da advocacia trabalhista.